De 2017 para 2018. Crise?

Pra quem trabalhou muito, o ano 2017 passou rápido demais. No mercado venda consignada e porta a porta, na nossa perspectiva, de norte a sul do Brasil, vimos muitas empresas novas nascendo e muitas empresas quebrando.

Essa crise econômica fez todo mundo se mexer. Vimos empresas de outras áreas entrando na área de venda porta a porta, outras que já faziam venda porta a porta, também incrementaram a oferta de produtos, variando os tipos.

Não há sinais de que a venda porta a porta vá acabar por causa dos comércios eletrônicos. O que há na verdade é um grande número de comércio eletrônico quebrando também.

No entanto, algumas empresas que acompanhei e que declaram falência na venda porta a porta, em geral tinham o perfil de “empresas” de um homem só – quando o cara faz exatamente tudo sozinho –  ou de pessoas e de grupos que nunca tinham trabalhado com consignação antes. Outras empresas desistiram do negócio por não terem a rentabilidade desejada mas a maior parte das declarações que recebemos como desmotivação do negócio tem a ver com a dificuldade em reter vendedores e a constante situação de fraudes dos próprios funcionários. Fatal para os novos entrantes e um golpe no estômago de quem já está estabelecido no mercado.

A gente não fez um estudo muito detalhado sobre essas situações de roubos para apontar percentuais. Até porque essas situações são declaradas com magro embasamento a ponto de sequer sustentar uma denúncia mais séria. Mas acontecem sim. E é evidente que a falta de processo mais rígido e claro, que falta conhecimento e de apoio correto (desde funcionários a escritórios jurídicos, contábeis, etc) gere oportunidade de perda do negócio.  E essa oportunidade é aquela que ninguém quer!

Para 2018, não vou desejar sorte porque sorte porque sorte só serve para quem é despreparado. Pra ilustrar isso, olha o caso da Alice no país das maravilhas:

“O senhor poderia me dizer, por favor, qual o caminho que devo tomar para sair daqui?
Isso depende muito de para onde você quer ir, respondeu o Gato.
Não me importo muito para onde, retrucou Alice.
Então não importa o caminho que você escolha”, disse o Gato.
Contanto que dê em algum lugar, Alice completou.
Oh, você pode ter certeza que vai chegar se você caminhar bastante, disse o Gato.”

Siga em frente, prepare-se e defina onde quer chegar. Se não se imagina onde quer estar em 3 ou 5 anos, pelo menos tenha um objetivo para 2018. É impossível navegar nesse oceano de incerteza de sem um objetivo.

Janeiro é um ótimo mês para começar o exercício. Vamos em frente!